Make your own free website on Tripod.com

Ishinomori Shotaro faleceu em 1998 a 26 de Janeiro. Ele foi o famoso autor de "A Introdução à Economia Japonesa em Manga". Ele tornou-se amplamente conhecido fora do Japão pela tradução Inglesa da mesma obra. Ironicamente, de qualquer forma, o sucesso do seu trabalho deu origem algumas confusões a cerca da natureza da Manga Japonesa. Nesta parte iremos expor este trabalho e o seu autor, Ishinomori Shotaro.

Á alguns anos atrás Eu fui visitado por um repórter de um jornal de um determinado pais desenvolvido da Europa que desejava discutir a florescente Cultura de Manga Japonesa. As primeiras palavras do repórter para min foram, "A Manga Japonesa pode ser dividida em três categorias, Manga económica, Manga erótica, e Manga violenta". Este comentário foi uma grande surpresa para min e Eu fiquei triste que os Europeus tinham esta visão tão distorcida da Manga Japonesa. Então, apercebi-me que os Europeus não tinham noção ou conceito da Manga como um todo.

Como é obvio, não existe tal divisão tripartida da Manga Japonesa. Em termos de conteúdo existem muitos outros géneros de Manga, incluindo Manga Desportiva, Manga Romântica, Manga Literária, Manga Histórica e Manga de Humor. Enquanto existe Manga erótica, não existe qualquer género especifico para a economia ou violência. Quanto á violência, a questão é apenas cultural (O Japão têm um menor numero de incidência de crimes violentos que os Estados Unidos ou a Europa), e a "Manga económica" é apenas uma parte de um género mais amplo que é a Manga Informativa. Porém, esta Manga Informativa não é muito considerada entre Mangas.

A Manga Informativa explora o lado ilustrativo da Manga em si para servir como ajuda ao estudo para crianças ela existe desde a Segunda Grande Guerra. Com o desenvolvimento como forma expressiva durante os anos 70, as chamadas "Mangas académicas" começaram a aparecer em revistas em geral na maioria lidas por homens de negócios. Ela não têm necessariamente uma estrutura narrativa mas os protagonistas são mostrados a aplicarem-se ao estudo das origens de e vários esboços anedóticos á cerca de comida, licor e festividades anuais.

Neste contexto a obra A Introdução á Economia Japonesa em Manga apareceu em 1986. Ao contrario da maioria da Manga no Japão, este trabalho foi lançado logo de inicio em livro em vez dos periódicos típicos. De qualquer forma, os seus três volumes venderam 1 milhão de copias, e foi até lido por pessoas anteriores à Guerra. Desta forma até aqueles que anteriormente não tinham revelado qualquer interesse em Mangas e que não pertenciam à "geração Manga" foram levados a reconhecer o poder expressiva da formato Manga.

Isto levou a surgirem cada vez mais Mangas que se debatiam com temas como história, ciência e por exemplo literatura clássica. Ao mesmo tempo a Manga começou a ser utilizada como ferramenta de relações publicas pelas agencias governamentais. Como um todo este tipo de Manga começou a ser referido como Manga de Informação, Manga de "Explicação". Em alguns casos, eram referidas, com alguma ironia, como " Manga educacional para crescidos".

O Génio de Ishinomori Shotaro

A Introdução á Economia Japonesa em Manga pode ter sido entusiasticamente recebido por quem de outra forma não lia Manga, mas era vulgarmente visto com escárnio pelos entusiastas de Manga. Em primeiro lugar, o volume inicial era assinado por Ishinomori mas claramente o estilo não era o seu, enquanto o segundo e terceiro volume foram claramente obras suas. A razão para este sucedido pode se assumir que seja a seguinte.

Quando Ishinomori recebeu a comissão para elaborar este trabalho ele estava completamente desinteressado, não só porque nenhuma Manga que tivesse começado de principio como livro tivesse tido grades sucesso, mas também porque este tipo de Manga como um livro de leitura de economia não era considerado um trabalho apropriado para um artista de topo. A produção de Manga de apoio ao estudo para crianças era amplamente visto como um ocupação dos tempos livres para artista de Manga retirados.

Por estas razões, Ishinomori entregou o projecto inteiramente à responsabilidade dos seus assistentes e simplesmente emprestou o seu nome ao produto final. Ao contrario de todas as expectativas o primeiro volume foi um sucesso e naturalmente vieram pedidos para mais volumes. Ishinomori não teve escolha senão a de pegar na sua caneta ele próprio. Isto tornou a obra num bizarro sucesso na qual o primeiro volume foi feito por outra pessoa que o próprio artista e os subsequentes volumes foram o trabalho do próprio artista. Não será necessário mencionar que há casos em que o trabalho torna-se num sucesso e o autor decide deixar o trabalho de conceber sequelas a escritores fantasmas (desconhecidos). A Introdução á Economia Japonesa em Manga é extraordinário porque foi o inverso.

Embora, a forma desinteressada como os entusiastas de Manga receberam esta obra, ela merece credito por ter contribuído para o estabelecimento do género das Mangas de Informação. Em particular devemos tomar nota de dois pontos. Primeiro, ajudou a despertar a atenção da sociedade para as Mangas como um todo, e em segundo lugar criou mais oportunidades de emprego para artistas que tinham abandonado a primeira linha do mundo das Mangas. Ambos estes dois pontos são da perspectiva da industria das Mangas. Correndo o risco de me repetir, de qualquer forma, quero enfatizar que as Mangas de Informação são apenas a aplicação do que já tinha sido desenvolvido em géneros melhores estabelecidos, tanto em termos de conteúdo como de técnicas. Como tal não tinham nada para contribuir para o desenvolvimento da Manga como um todo.

Ishinomori Shotaro nasceu em 1938. Ele mudou-se para Tóquio depois de ter terminado o liceu e tomou residência no legendário edifício Tokiwa-Sapartment. Este edifício localizado em Shiina Machi em Tóquio, era onde ficava o estúdio de Tezuka Osamu e as residências de outros proeminentes jovens artista de Manga para além de Ishinomori, incluindo Fujiko Fujio, Akatsuka Fujio, e Mizuno Hideko, os quais viriam a se tornar os pilares da explosivamente em expansão mundo Manga nos anos 60.

Ishinomori Shotaro era um génio que empregava técnicas radicais novas como Cut-backs, fade-outs, e inversão de preto-branco para destacar articulação das vinhetas e desenvolvimento da narrativa. Em termos de conteúdo ele produziu adaptações para Manga de trabalhos muito influenciais e inteligentes de obras de escritores como Ray Bradburry, Jack Finney, e John Wyndham. Nos anos 60 isto aconteceu sem precedentes.
Apartir dos anos 70 Ishinomori tornou-se um autor de sucessos de trabalhos muito populares. Nos anos 80 ele trabalhou e estabeleceu a fasquia para a Manga Informativa. Não há duvidas do estatudo de Ishinomori como um artista na frente da sua idade.


 

Ampliar

 

 

 

 

ISHONOMORI SHOTARO

 

 

 

 

 

O tardio Ishinomori Shotaro é o autor da famosa saga, Kamen Rider.
Ele é conhecido como uma das lendas da BD Japonesa, Manga.
Embaixo encontram-se datas importantes :

1938 - Ele nasceu em Janeiro, a 25 em Miyagi, Uma vila no Japão .
1950 - Quando Mr. Ishinomori estava a estudar no liceu em Miyagi, ele e os seus amigos publicaram "Uma gota de tinta" e começaram a submeter os seus trabalhos para a "BD Juventude", uma revista de BD..
1954 - Em Dezembror, o seu trabalho, "O Anjo de Segundo Grau", que foi publicado na "BD Juventude".
1956 - Depois de ter terminado o liceu, ele foi para Toquio e começou as sua carreira.
1959 - Ele participou no planeamento do trabalho de Osamu Tezuka 's Work "Jornada ao Oeste".
1966 - Ele foi premiado com o 7º "Premio para BD infantil" pela Kodansya do Japão.
1968 - Ele foi premiado com o 13º"O Prémio Shogakukan ".
1972 - A BD KAMEN RIDER foi publicada a 1 de junho.
1980 - A celebração da completação de mais de 70,000 esboços originais.
1988 - O seu trabalho " HOTEL" foi premiado come 33º"O Prémio Shogakukan " . "Introduction of the Japanese Economies( Introdução à Economia Japonesa)" ganhou 17"O Prémio da Associação de Argumentista de Manga".
1988 - O sua obra "Kamen Rider BLACK" foi pela primeira vez publicada em 15 April.


 

 

 

 

 

 

 

CONTINUAÇÃO