Make your own free website on Tripod.com

Os Termos Utilizados na Manga Humorística

Tal como a palavra Inglesa para B.D. "comic" partilha as suas origens com o termo "comedy"(comédia), a palavra Japonesa "manga" também têm uma conotação do cómico. O termo original em caracteres Chineses significava "piadas humorísticas expressas em imagens". "Manga", então, eram imagens que pretendiam fazer as pessoas rirem. Embora no período pós-guerra a Manga humorística fosse eclipsada pela Manga Narrativa, o humor continuou como género importante.

A Manga Humorística pode ser agrupada nas seguintes categorias.

A Manga Satírica: inclui caricaturas, manga sobre eventos correntes, política, e assuntos sociais, são tipicamente de uma só vinheta embora possam ser mais longas. Elas são publicadas em jornais e revistas em geral. Aparte do facto que cada jornal têm uma, não houve uma que causasse grande sucesso popular. A maioria delas são elaboradas por artistas de Manga da geração mais velha.

Manga do Disparate: manga humorística de uma ou mais vinhetas que não são satíricas. Elas são referidas como manga de "disparates" da perspectiva daqueles que acham que a sátira é a única modo adequado de Manga. O mesmo termo, porém , é por vezes usado para referir manga que joga com senso comum do dia a dia. Em qualquer caso, são usadas exclusivamente pelos artistas de Manga da escola velha.

Manga Anedótica: Que com a revolução humorística dos finais dos anos 60 toda a manga humorística começou a ser referida como Manga Anedótica.

Akatsuka Fujio

No Japão pré-guerra e mesmo nos primeiros vinte anos dos pós-guerra, as Mangas humorísticas não eram mais do que adaptações picturais dos contos contados por comediantes e artistas rakugo. Elas eram habitadas por personagens engraçados que diziam e faziam palhaçadas construindo suas piadas até à linha final de clímax da piada.

Nos finais dos anos 60, porém, um homem chamado Akatsuka Fujio modificou tudo isso, com obras amplamente populares como Osomatsu-kun e Tensai Bakabon. Os personagens nestes trabalhos eram totalmente cobertos de aparência e personalidade. Era comum o personagens secundários serem mais activos que o protagonista e as gargalhas eram suscitadas mais de um humor espontâneo do que uma linha final de clímax. Elas eram inovadoras em todos os aspectos. Atsuka perdeu o seu toque após um inicio de sucessos mas não há como negar o seu estatuto como grande pioneiro.

Shoji Sadao emergiu na cena da Manga Adulta quase ao mesmo tempo que Fujio. Shoji usava desenhos que apenas poderiam ser considerados de infantis, em comparação com os trabalhos actuais, para desenhar o humor da vida diária e de situações totalmente surrealistas. Estas técnicas eram sem precedentes na história da Manga.

Tanioka Yasuji apareceu mesmo no fim dos anos 60 e produziu manga característica de humor na-sua-cara e explosivo.

A partir deste ponto a Manga Japonesa Humorística começou a libertar-se das restrições impostas pela moralidade, preocupações educacionais, e a tradição em beneficio da procura da gargalhada pura.

A Entrada de Escritores de Ficção Cientifica

Em 1974, Yamagashi de que somente a inclusão de temas envolvendo um desejo sexual anormal que sempre foram tabus era certamente o chocante o suficiente, mas talvez mais importante fosse talvez a sua precisão artística do seu estilo. Até a este ponto os personagens na Manga Humorística tinham sempre sido muito simplificados e estereotipados.

Yamagami Tatsuhiko escreveu manga de ficção cientifica durante dez anos antes de ter se virado para a Manga Humorística. Essa experiência deu-lhe essa visão cínica das pessoas e civilização tanto como o estilo de desenho preciso.

Umezo Kazuo, um veterano da Manga de Mistério, lançou a sua muito bem sucedida Manga Makoto-chan mais ou menos ao mesmo tempo que Yamagami teve o seu começo no género. O estilo dele era realisticamente preciso, o que ele tinha desenvolvido desde os seus dias nas Mangas de Mistério.

A Ascensão e Declínio da Manga de Quatro Vinhetas

Um novo Boom nas Mangas de quatro vinhetas deu-se cerca dos inícios dos anos 80, isto ao mesmo tempo que o mercado expandia com aparecimento de novas revistas. As novas Mangas de 4 vinhetas, porém, eram conservadoras no estilo e nostálgicas no espirito, nada mais que meras velhas impressões de piadas. A expansão de popularidade deste tipo de humor patético era a evidência que a Manga tinha se tornado mais do que uma simples distracção das banalidades da vida diária.

De entre estes artista pedestre da Manga de 4 vinhetas emergiu um génio, Igarashi Mikio. A Manga de Igarashi eram criticas afiadas à hipocrisia social.

A meados dos anos 80 deu-se início a um novo tipo de mangas de 4 vinhetas foram chamadas de "Mangas do Absurdo". Esta eram Mangas onde o leitor não sabia ao certo onde se rir. Yoshida Sensha e Enomoto Shuji foram os mais influentes praticantes desde género. O seu estilo excêntrico ganhou-lhes muitos seguidores entre jovens artistas de Manga mas rapidamente tornou-se cliché e caio em solipsismo. Entretanto, a banal Manga de 4 vinhetas continuou a ser produzida e a ser esquecida um feitiço de seca da Manga humorística.




 

 

 

 

 

 

 



Fujio Akatsuka
(b. 14/9/1935, Japâo)

 

 

 

 

 


Fujio Akatsuka nasceu na China em Setembro de 1935, mas regressou ao Japão com a sua mãe depois da 2ª Guerra Mundial.. Depois de ter-se terminado a universidade, Aakakuta consegui emprego numa empresa de Químicos, que detestava. Ao mesmo tempo, ele enviou algumas das suas mangas a algumas revistas até a sua tira feminina 'Arashio Koete', foi publicada pela primeira vez 1955. Em 1958, ele vendeu a sua tira, 'Namachan', à revista Manga Õ:. O seu verdadeiro sucesso veio em 1962, quando Akatsuka criou 'Osomatsukun' e 'Himitsu no Akko chan'. Isto foi o ptincipio de uma longa na produção de BD populares, tal 'Otasukekun', 'Shibire no Skatan', 'Ijiwaru Ikka', 'Tensai Babakon' ('O Génio Idiota'), 'Moretsu Ataro' e 'O Mundo Waru Waru'.

Fujio Akatsuka é um dos maiores artistas da BD Humoristica de todos os tempos no Japão. O seu estilo humoristico e muitos personagens anti-heroicos transformaram o espectro da BD, e à medida que mais das suas tiras são adaptadas para desenho animado continuará a atrair fans mais e mais fans.

 

 

 

 

 

 

 

CONTINUAÇÃO